Especialistas em saúde querem mudar o horário das aulas

Manifesto sugere que jovens entrem na escola a partir das 8h30

Publicado em 07/11/2017
Garota dormindo

No Brasil, a rotina escolar da maioria dos jovens é acordar às seis horas, tomar banho, café da manhã e pegar um ônibus para chegar à escola às sete - um verdadeiro pesadelo para quem precisa de mais horas de sono. Porém, alguns pesquisadores estão com intenção de mudar este cenário. No começo de novembro, durante o Congresso Brasileiro de Sono, ocorrido em Joinville (SC), especialistas distribuíram um manifesto que propõe mudar o horário das aulas dos jovens. 

O documento, endossado pela Associação Brasileira do Sono, sugere que estudantes do sétimo ao nono ano do Ensino Fundamental e dos três anos do Ensino Médio (ou seja, adolescentes de 13 a 17 anos) tenham aulas a partir das 8h30.

O objetivo é garantir um mínimo de quantidade e qualidade de sono e, assim, um bom processo de aprendizagem”, conta o neurocientista John Fontenele Araújo, professor do Laboratório de Neurobiologia e Ritmicidade Biológica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Segundo os especialistas, a restrição ao sono pode provocar problemas de saúde e interferir no desempenho acadêmico do estudante.

E não basta o adolescente simplesmente dormir mais cedo. Na entrada na puberdade, existe um atraso natural na hora de dormir e despertar. Dependendo dos genes herdados, o jovem ainda pode ter necessidade de adormecer mais tarde ou precisar de mais horas de sono para acordar com energia.

Não podemos negar que esse problema existe. E, como uma sociedade científica, a Associação Brasileira de Sono está trazendo o alerta e colocando à disposição seu corpo de associados altamente qualificado, particularmente os pesquisadores da área, para dar o suporte necessário a essas ações”, escrevem os cientistas.

Foto: Pixabay