Vacina da dengue deve ser aplicada só em quem teve a doença

Estudos apontaram riscos na imunização para quem não teve a enfermidade

Publicado em 05/12/2017
Mosquito da dengue

O laboratório francês Sanofi Pasteur anunciou que a vacina contra dengue, disponível no Brasil desde 2015, só é indicada para quem já teve contato com a doença. A farmacêutica notificou a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que já emitiu uma nota com a nova recomendação em seu site e fará a alteração na bula do imunizante.

O anúncio ocorreu após uma pesquisa em cima de dados coletados nos últimos anos. Nos indivíduos que não foram picados pelo mosquito Aedes aegypti, foi observado um maior risco de desenvolver uma forma grave da enfermidade no futuro: 0,5% daqueles que foram vacinados e picados posteriormente apresentaram febre, aumento de hemácias e diminuição de plaquetas no sangue, além de manchas roxas na pele e na gengiva. 

Considerada um problema de saúde pública no mundo, a dengue afeta 390 milhões de pessoas ao ano no planeta. A ciência vem considerando outras estratégias para conter a doença, além da vacina, como os mosquitos transgênicos, inoculados com uma bactéria que impede a transmissão do vírus.

Mas, por enquanto, a solução mais eficaz contra a dengue é acabar com os focos de água parada para evitar criadouros do Aedes.

Foto: Pixabay